quarta-feira, 22 de março de 2017

A espera

A espera cansa a alma
Não deixa transparecer os momentos de prazer
Corda envolta do pescoço
Puxa e solta

segunda-feira, 20 de março de 2017

Muito tempo

O tempo corrompe minhas veias
Deixa um gosto amargo de uma ternura cabidal
Ontem fiz um monte de coisa
Hoje um monte de coisa me fez ao mar

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

A maldade humana

Escrotidão
Cada palavra que saiu da tua boca fede
Hoje, causa uma náusea que não passa
Palavras são apenas palavras
Os atos cheiram a ralo
Escroto e maldito ser
Não merece nem macumba para o mal
E nem orações para o bem
Tú nem alma deve ter
Cada gesto inefasto teu
Não me atinge
Deixo para você o fel dos infernos
E durmo agora nos braços de Deus