domingo, 30 de maio de 2010

Cala-te

O tempo tudo cura
No silêncio a alma cala
Mesmo que o mundo lá fora grite
Feche a porta do quarto

Num choro quase contido
O coração batendo de saudade
Mas na memória sempre veem
Cala-te

terça-feira, 25 de maio de 2010

No espelho eu e você

Olho-me no espelho
Em mim encontro um pouco de ti
Atrás tu te encontraste

Tuas mãos percorrem meu corpo
O meu pescoço inclina-se no teu peito
Minhas mãos passeiam em tua nuca

O beijo, o abraço, o afago
Sensação que acalma
Momentos passageiros de se ver

Dois corpos que quando envoltos
Alimentam-se daquele cheiro
Tão bom de se sentir

domingo, 16 de maio de 2010

Querência

Amar e não ser correspondido
É dor e ferro fundido
Te teria em meus braços
Se ao menos permitiste

O teu sofrimento me faz querer cuidar de você
Mas a tua frieza só lhe faz mal
Não deixe que a doçura que o Amar é
Transforme em fel escorrente

Meu lado solar aceita teu lado lunar
Tudo é questão de querência
Se estou te querendo
É porque minha querência me faz agir assim

Eu te espero
Esperarei até quando for possível

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Splash momentâneo

Pequena gota de orvalho
Em folha escorre ao cair em terra firme
Percola chão abaixo
Entre pequenos poros aceifados

Uma gota faz splash
Arremessando sempre mais
Sozinho acredita-se que se anda
Pobre coitado!

Junto é que se percola caminhando
Trajetos antes nunca tentados
Gota que se junta em gota
Em oceano um dia há de virar