Cartas para Julieta - Filme


Cartas para Julieta, filme que recomendo, nem tanto por ser caracterizado como Romântico, mas pela história que me impregnou com a sensação de que amar é sempre um fato de se relacionar com aquilo que é desconhecido a priori. Quem pode dizer que conhece totalmente o outro? Sinto muito meus queridos, mas a nossa alma resguarda-se de segredos que nem mesmo os casais mais apaixonados poderiam conhecer.


Sai do cinema em prantos, caminhando pelas ruas da minha cidade, pensando em muita coisa, nas relações que estabelecemos uns com outros, nas nossas carências, principalmente nas minhas, mas sigo aquilo que no filme revela. E se? Sempre tento alcançar a ousadia daqueles que tentam viver suas histórias sem pensar nisso. Passamos de relance pela vida, não sabemos para onde iremos, então aproveitamos este espaço que a vida proporciona para vivê-la com dignidade e respeito aos sentimentos alheios.

Imaginem vocês apaixonados, digam aos seus, EU TE AMO, e em troca recebam uma belíssima bofetada, que alma agüentaria tal prova de amor (fato verídico). Um amor bem minúsculo por sinal. Filmes foram feitos para nos dar algo que considero primordial na vida que é a esperança. E neste essa palavra perpassa a cada instante, numa inusitada história de uma senhora.

Sou romântico, infantil, acredito num amor, que para muitos é muito faz de conta, mas pelo menos não tenho medo de me entregar a quem eu escolho como parceiro. E diante de Cartas para Julieta, fico assim, um bobo, um meninão, chorando por uma história belíssima, pode ser bem faz de conta mesmo, mas uma linda história de laços afetivos. Como diria Clarice Lispectos, “podem me jogar do penhasco, e daí? Adoro voar”.

Estou tocado pela singeleza da história do filme, é tão simples, bobinha diria, mas genuinamente humana demais para ser verdade, mas quer saber acho muito possível existir histórias felizes assim.

O meu domingo terminou, estou aqui terminando de escrever sobre esse filme e sobre o amor e outras coisas, e com o desejo na alma de dizer, amem - AMÉM (SIM) se entregue as histórias de vocês por amor, mesmo que doa muito ser assim, mas pelo menos sejam verdadeiros. E se? No meu vocabulário não existe mais, e no seu ainda existe?

Comentários

  1. Num tempo de tanto ceticismo, tornam-se cada vez mais raros aqueles que acreditam no amor. És um dos poucos, meu caro. Tb sou. Amantes do filme idem, mas é uma minoria positiva e esperançosa!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A luz