segunda-feira, 4 de julho de 2011

Trágico fim

Um corpo no chão
O sangue vertido no asfalto
Aquele olhar de desolação
E um silêncio que gelava a espinha

Um morto
A pele cianocítica
Em transe estático
Passou-se pela terra e ninguém viu