Diversidade

Minhas mãos tocavam as suas naquela larga avenida
Andávamos como dois seres apaixonados
A sensação de proteção era o que importava
Um frio e gélido vento parecia nos desviar do caminho
Com os corações quentes, sentíamos só eu e você

Um golpe na cabeça, estilhaçados no chão
O sangue correndo em instantes
Como numa violência de uma bala perdida
Eu nos teus braços e vultos correndo a nossa frente

Aquela sombra que nos fizeste passar
Não nos tirou o brilho do nosso olhar
Todos têm direito a amar, um amor igual
Não viva calado com a sua dor guela abaixo
Viva bem no alto e crie sua identidade

Voe além do mar, com aquelas gaivotas
Viva sem se lastimar as chagas em tua face
Sustente o teu caminhar firme como rocha
Elas não serão em vão se você gritar

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog