Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2012

Eu falo

Entro e saio
Em pele nua e úmida
Aquele movimento repetitivo

Entro e saio
No leitoso gozo
Face rubra

Entro e saio
Naquele calor em água
Meu falo

Às vezes

Às vezes a gente não entendi porque é do jeito que é

Às vezes a gente não entendi porque sente do jeito que sente

Às vezes a gente não entendi porque pensa do jeito que pensa

Às vezes a gente não entendi porque ri do jeito que ri

Às vezes a gente não entendi porque sofre do jeito que sofre

Parei hoje para pensar

Parei hoje para sorrir

Parei hoje para dizer

Às vezes a gente pensa que pensa e não pensa nada

Reflexões de um dia

Quando puder estenda a mão
Faça algo, movimente-se
Deixe a roda girar
Espalhe o que de bom tem dentro de si
Contamine as pessoas com boas ações
E nunca se esqueça
Somos aquilo que fazemos aos outros

Novo mundo no velho mundo

Um mundo onde não houvesse guerras
Em que os povos se abraçassem sem facas
Os dentes a mostra talhadas como lâminas
Um mundo utópico como de Alice

Não, não há
Mas ainda que haja esperança
Daquelas dos nossos grandes sonhos
Brilham em nossas consciências e ações

Num velho mundo que se reveste novo
Só os mais bobos não percebem
As leis continuam as mesmas
Oprimindo e desejando oprimir

Aprendi que a gente age no silêncio
Sem precisar fazer estardalhaço
O que a mão esquerda fizer a direita não precisa saber
E assim homens de bem agem
Como formigas trabalhadoras e que nunca se cansam

Essa é a grande experiência
Individual e coletiva
Num mundo novo que se abre pela frente
Ser além do Eu é única alternativa