Confidência 3

Procuro um verbete para qualificar o que penso
Não o encontro em nenhum dicionário
Ao menos se existessem em minhas memórias
Mas infelizmente não há mais o que dizer

As histórias que conto nestes versos frágeis
São pura imaginação de quem encontrou uma maneira de se expressar
Com aquelas doces palavras e ácidas ideias
Corroem-se em pensamentos e sentidos existências

Grande é o meu prazer em escrever
Elas veem como uma descarga de adrenalina
Chegam aos dedos e parecem que nunca vão secar

Posso não ter aquele dom latente de por no papel pérolas
Afinal, sou um aprendiz da palavra
O que importa neste vida é deixar o tempo revelar seu tempo

Sou um poeta que não procuro versos perfeitos
Daqueles que as pessoas mal conseguem compreender
Minhas linhas são tênues e ora convencionais
Mas o meu amor pela palavra, não, não é

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog