Ouça-me

O teu som não me convence
O que adianta tanta doçura se nunca quis dizer nada
Perca a vida nas letras e deixe que elas expressem a tua dor

Não adianta criar o teu mundo encantado
Um gosto de mel que causa ânsia de vômito
Áspero como uma pedra-sabão
Esfole tuas ideias de um pequeno faz de conta

Amadurecemos quando tudo parece não existir
Sinto você fraca e sem substância
Aprofunde aquilo que tu queres dizer
As raízes da Caatinga não são rasas

Quando a tua música contiver seus desejos mais profundos
Avise-me que quero ouvir, um som límpido e agudo
Saiu das artérias e não da pele fina
Ouça-me você é capaz de ir além

Um casamento, uma aliança rompida não é o fim
Um câncer, uma depressão, uma tetraplegia não é o fim
É oportunidade de o novo recomeçar sem as velhas bengalas
As aparências são um espelho quebrado, somos alma além-mar

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A luz