Ode a Carlos Drummond de Andrade

Imaginaste uma escola onde todos pensassem iguais
Um mundo onde todos pensassem iguais
A arte onde tudo fosse igual
Que tedioso seria!
A escola castra o aluno naquilo que ele tem de mais puro
o pensamento
Não façamos de nossas crianças passarinhos presos na gaiola
Deixemos que elas voem quando assim quiserem
A insubordinação mental de Carlos foi um alívio para ele
Faltou-me na infância o prazer e a ousadia de questionar
Hoje não falta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A luz