Sério?

Conseguiram me tirar do controle
A raiva no olhar
Ódio corrompendo a alma
Aquele sangue árido escorrendo pelos olhos como lágrimas

Em face do transtorno
Humilhado e taxado como louco varrido
E o destempero tomando conta
Que ninguém chegue perto

Um pedaço de madeira na mão
Lascas voando e o céu se aclareando
A força que batia corrompia até o mais simples silêncio

Depois no esmeril lixando a madeira
Que forma daria? Sério?
Pouco importava mas o sentimento esvaía

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog