Coser

Crio histórias,
coloco-as na cabeça,
invento cenários ora reais, ora irreais.
Roubo vidas,
transfiguro-as em letras,
numa bela imagem psicopática.
Costuro versos, coso,
alinhavo cada parte,
deixo crescer, e crescendo me vejo.
Procuro enredos em uma mina,
de bateia na mão, vou procurando,
procuro até encontrar uma só história.
É difícil escrever histórias, poesias são mais libertadoras,
a mente aceita o desenrolar dos versos, desenrolando,
desatando nós, cosendo, aparando, e aí se vê
num alinhavar de versos surge a poesia.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog