Poema reflexão


Como dói escrever
Ideias que vêm frágeis
No limiar da verdade
Conspícuo

Lido com aquilo que é meu
Que transpassa os dias
Marca a pele
E deixa cicatrizes

Ainda há um pouco de frescor
Em cada verso escrito
Uma nota aguda
Paro e penso: “a minha voz é uma muda introspecção do ser”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A luz