Desde sempre

Desde sempre nos tornamos cúmplices
Fizemos coisas que ninguém nos perdoaria
Roubamos, matamos e estupramos nosso verdadeiro eu
Não minha querida, você ainda não ganhou este jogo
Eu também tenho minhas cartas na manga
Sei ir ao fundo do poço e voltar como uma fênix gelada
Não adianta querer meu aplauso
Não adianta querer meu amor
Te aprisiono na minha face
Te roubo todo seu calor
Você agora se tornou coisa minha
Meu objeto, minha favorita
Colocarei-te em um andor
Venenarei tua alma
Coisa minha, coisa minha
Você será coisa minha
Desde sempre te procurei pelas ruas
Nas sarjetas da vida
A loucura que é meu amor te escravizou
Você é toda minha, toda minha
Pode dizer, gata, que eu sou maluco
Não me enxergo, não me ponho no meu lugar
Mas você sabe que quando duas almas puras se encontram
Não há porque fugir
Toda minha vida, toda minha vida
Você já faz parte da minha vida

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A luz