Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2014

Pensamentos poéticos

Caminhos dados
Não são caminhos encontrados Percorrendo a exaustão dos acontecimentos Vivendo de pão e vento Criando no imaginário sensações abstratas Os aviões que no céu ainda cortam Com sua fumaça branca  Em linhas retas sempre hão de ficar E as cores azul e vermelho que desapareceram Se tornaram um jocoso verde Que insiste, insiste em ficar Falo coisas sem cabimento Pra um dia quem sabe alguém escutar Sentir minha voz pálida e rouca Com notas de uma ansiedade que não quer acabar Vivo de escrever poesia No balanceio de versos e notas finais

Sem remorso

Sem remorso quero ficar
Fiz coisas que não dá pra falar
Que ficaram pra trás
Olhar pra frente sempre
E ver o raiar do sol
Límpido clarão do luar
Onde as intenções sejam ações
Tão boas pra se ter
Intenções não mudam as coisas
Ter consciência dos próprios limites
E ir além das amarras da existência

De volta a si mesmo

Estou indo embora
Procurei você
E não a encontrei naquela selva de pedra

A cidade é um ambiente opressor
Quer controlar cada movimento
Diferente dos ambientes naturais

Como é bom um riacho
O barulho da água
Os pequenos peixes nas tuas margens

É paz, tranquilidade que invade a alma
Nos ambientes naturais sou mais feliz
Reencontro comigo mesmo

Sem motivo

Tirando ouro de pedra
Vivendo de vento e nada mais
Não é assim
Correndo atrás de coisas boas
Acontecimentos inesperados
Suor e lágrimas
Fruto de trabalho
Alegrias e dores
Fazendo fumaça como índio
Flechada no coração

Futebol

Uma bola Homens correndo atrás ou junto dela Dois gols Uma emoção esfuziante Gritos em todas as direções E olha que é apenas uma partida de futebol

Versos no trabalho

Sentado no meu trabalho
Ansioso para o tempo passar rápido
Coisas que tinham que ser feitas foram feitas
E eu ainda sentado aqui
Escrevendo por pura distração
Distraindo a vida me encontro
Ou minha vida é uma distração
Ao certo só imagino
Chegar as férias tão merecidas
Descansar um pouco
Pra depois voltar
Não sei ao certo se me inclino pra o ócio criativo
Ou se se é o ócio que se inclina a minha pessoa
Escrevo porque é uma necessidade
Quase um refrigérido
Um momento em que controlo aos poucos a ansiedade
Fico assim a escrever poesia
Escrevendo versos
Me identificando com cada palavra
Cada síliba formada
Minha vida é assim
Um amaranhado de versos
Escritos "a Deus dará"
Mesmo assim escritos por mim

Tiro ao "álvaro"

Imagem
Esta música está no imaginário popular, simples e direta.

Tarde de domingo

Felicidade que não cabe no peito
Transbordante sensação de paz
No caminho que se abre a todo instante
Faz de mim um pássaro preto
Livre pra voar
Entre as tempestades
E maremotos existênciais
Somente há liberdade
Entre aqueles que a escolhem



Compartilhe

Se quiser falar sobre algo
Fale
Se quiser gritar estarei de ouvidos abertos
Mas não se iluda
Eu só quero compartilhar
Compartilhar é a bola da vez
É o que deveria movimentar o mundo
Quando a gente compartilha as coisas mudam
Pelo simples fato de se compartilhar

Sobre cds físicos ou músicas digitais

Interessante notar como vende-se muita música digital (iTunes) em detrimento do cd físico. Pois eu adoro ter o cd físico, estou me organizando pra comprar os que ainda não tenho dos cantores e cantoras que gosto. Nunca comprei pelo meio digital, porque gosto de ver o trabalho do artista. Têm bandas que serão difíceis de comprar o cd, mas um dia compro como Justice, Miami Horror... O cd da Zola Jesus tive que comprar fora do Brasil, pra vocês verem o quanto é atrasado o comércio de cds aqui no país. Enfim, não gosto de ir na onda da moda e o cd dá sensação de que você está comprando o trabalho completo do artista.

Filmes que tenho que ver

Imagem
1. O nome da Rosa



2. Oldboy



3.Gandhi



Perguntas pra Lady Gaga

Quando você se prepara pra um novo trabalho, você pensa na mensagem que quer passar?

Este seu último álbum achei confuso, foi proposital?

O que mais te emociona atualmente?

Você tem se envolvido em causas sociais. O que mais te motiva neste sentindo?

Perguntas pra Madonna

Por que a religião sempre é assunto no seu trabalho?

Você se considera uma pessoa com alguma espiritualidade e como você definiria o que segue?

Qual o assunto do novo trabalho? Vai falar sobre liberdade, amor e fraternidade?

O que você mais admira nas pessoas que estão próximas de você?

Parece que o trabalho te movimenta, nunca consegue ficar sem trabalhar?

Qual a densidade do seu novo trabalho, ou vai ser algo mais superficial só pra se divertir?

O que você diria pra uma pessoa que não se realizou no trabalho, qual conselho você daria?

Você gosta de esporte? Que esporte mais te atrai?

Você seria capaz de responder estas perguntas apenas usando fotografias?

Imaturos

Somos imaturos pra viver esta vida
A juventude nos faz ficar a deriva
Em inconclusivas formas de amar
Tudo está tão acelerado
A ansiedade cresce com o tempo
Os nervos a flor da pele
Agitação e tremores
Somos tão imaturos pra viver esta vida

Perverso mantra

Pensamentos ruins
Pensamentos que invadem a mente
Congelam-me em profunda adoração
Como um mantra perverso ficam
Peço oração
Mandinga
Sei lá o que vier
Infelizmente meus pensamentos me controlam

Um dia

Todo dia é comum
Rotina
Cada hora passa devagar
Quando não se tem nada pra fazer
As horas passam rápido
Quando a cabeça é ocupada

Hoje

O tempo passa devagar
Como notas de um licor fino
Não há pressa
Até mesmo porque não tenho que ir a nenhum lugar
Tudo se passa neste instante
Interminável ponto de equilíbrio
Não há coisas urgentes
Todas tem o mesmo valor
Como aquele merlot
Que deixei em minha taça agora pouco
Não, não bebi no trabalho
Foi apenas inspiração que quando vem
É preciso colocá-la pra fora
Mas uma taça de vinho
Bem que caberia bem
De preferência com queijos que harmonizassem
Fico nestas linhas a deliciar os sinais que não coloco nas frases
Não há pontos e nem vírgulas
Só liberdade de expressão

Não há promessas

Na minha vida nunca fiz promessa
Nunca fiz mandinga
O que amei ficou no fundo do mar

Não sou feiticeiro
Todos os santos não são santos
Com a cabeça arqueada
Degola

E aquele sangue que escorre
Purifica as almas com Ave Maria
Levantando tudo do túmulo
Caboclos e pajé mirins

Uma grande cantora brasileira - Maria Bethânia

Imagem

Ponte do Brooklin

O sol que bate em minha face
Na ponte do Brooklin
Em suas delgadas cordas
Vai o meu amor ao monumento que não conheço.

Conquistas

Em si mesmo
Refazendo cada movimento da história
Dando pouca importância ao que falam de mim
Vendo o que de bom conquistei

Paz

Não disputo
Nem quero briga
Quero paz
Nem que seja por um minuto da minha existência