terça-feira, 7 de julho de 2015

Rotina

Os ônibus passam pela minha janela
O ruído não deixa nenhum momento de silêncio
Sentado numa máquina de escrever
Compondo sinfonias poéticas
E a cada letra no papel
Mais vontade de escrever
Elas pulam na minha frente
Como se quisessem dizer algo
Escrevo compulsivamente
Letras em formas de sentimentos

Nenhum comentário:

Postar um comentário