domingo, 16 de agosto de 2015

Contentamento

Frescor na alma
Não é dela o renascimento
As armadilhas que a vida prega
São atestadas nos vencimentos
Sou tudo aquilo que posso
Não entenda como descontentamento
Os meus brancos cabelos aparecem
Vou viver a vida para sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário