Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2015

Meu amor calado

Calado meu amor me ama
E o amor ama-me de dentro pra fora
Aquele amor que penetra
Penetrando no meu ser

Ao meu gato que foi doado Ele foi embora
Deixou um vazio
Fez do meu coração seu ninho
Deitou e partiu

Passageiro do tempo

Não sou um otimista e nem um pessimista
Sou do realismo fantástico
Tenho lembranças inventadas
Daquelas que nem o pó repercute
Meus dedos de folha
Passam pelo teclado
E me fixam noutra realidade
Escrevo para esquecer do tempo
Daquele tempo que não volta mais


O copo

O copo que derrama
Seu próprio ser
Vivência cada palavra
Lidar com as inferências
Em um toque de adeus

Mundo trocado

Cachorro que pia
Gato que late
Pássaro que mia
No meu universo de criança
Tudo é trocado
Só o amor pelos animais continua o mesmo

Cores

Para crianças Na minha imaginação
Vivo de cores
O azul sou eu
O vermelho é você
E o verde somos nós

O tempo me diz

O tempo me diz
Revoada
Cada um sabe do nó da gravata
Que precisa apertar
O tempo me diz
Renovar
Ideias e orações precisam ficar