quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Lembranças

Lembro-me no canto da parede
Botando fogo na cortina
Jogando tinta na sobrinha
Com aquela raiva peculiar

Lembro-me do cachorro preso ao portão
Sangrando até a morte
Uivando de dor

Lembro-me de tantas coisas ruins
Minha cabeça chega a pirar
Só a poesia me conserta
Das minhas lembranças

Nenhum comentário:

Postar um comentário