segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

O vermelho

Não sei escrever coisas belas
Escrevo aquilo que está dentro de mim
O meu feio bonito aparece
Horda de orvalho
Canivetes alados
Rasgam a pele fina
Deixam suas marcas intensas
Cobrem de um vermelho
O chão que ora pisa
Ora flutua

Nenhum comentário:

Postar um comentário