domingo, 21 de fevereiro de 2016

Rios de saudades

Não sei porque escrevo poesia
É uma necessidade intrínseca
Cada palavra vem e enche o peito
Descorre como leite derramado
E penetra em cada poro
Rios de saudades

Nenhum comentário:

Postar um comentário