segunda-feira, 9 de maio de 2016

O ponto de encontro

Nas esquinas da vida
Me encontro
Com um olhar lânguido
Afeito ao voar
Não te falo de rosas
Espinho que sempre perfura
Com o sangue derramado
Em plena clausura

Nas esquinas da vida
Não me encontro mais
Fiz uma revolução
O olhar para trás não importa
Faço desta tênue existência
Um buraco, uma fenda
Neste lugar me encaixo
Desprovido de todos os sentidos
No ponto de encontro me acho.


Nenhum comentário:

Postar um comentário