Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2016

Oração

Amar é desapegar - se de si
Ir ao encontro dos problemas dos outros
E ajudar a sanar as tuas dores
Senhor dai-me sabedoria para conviver com o diferente
E saúde pra melhorar um pouco o mundo

Como Deus seria?

Somos como Deus
Quando estigamos em nós
A Beleza
A Bondade
A Verdade
Três pilares de uma vida sãAprendi a ser Deus de mim mesmo
Mesmo com as imperfeições do humano
Sempre o procuro dentro de mim e nos outros

A minha guerra

Não erguerei bandeiras
Sem antes sentir
Que o que vale na vida
É ouvirA guerra não é com estranhos
Está dentro de nós mesmos
Não adianta berrar, gritar e se convalecer com o outro
Sendo que o problema coabita dentro de você Centrar as ações
Conviver com as emoções
É uma luta interior
Que poucos ainda compreenderam

Eu acredito no "nós"

Imagem

Contemplando a si mesmo

Não posso escrever coisas que não venham de mim
Posso ser um narciso no lago
Posso ser o que quiser ser
Na vida, as nossas experiências é que contam
Viver para amar quem se ama
E contemplar a bela certeza
de quem se é...

Profano e sagrado

O profano e o sagrado
em mim se misturam
não há remorso e nem tristeza
que me fazem menos amado
Tenho dentro de mim
Um fogo quente
que em tudo devora
sou um lindo pássaro azulado
que sobrevoa sobre os confins do universo
Não cito poetas
Tento ao máximo com minhas limitações
Escrever o que penso
Deixar transparecer o que sinto
Para que minhas palavras não morram

Do meu jeito

Não procuro ser perfeito
Procuro ser autêntico
Ser do meu jeito
Conturbado
Às vezes
Mas do meu jeito

Gozo na Chilli Peppers

Minha potência penetra em você
Aquela mão de um estranho passa pelo meu peito
Sussurra
Mete
E aquele calor dos corpos que se encontram
Me fazem gozar um intenso prazer
Fatos são correções
que na alma batem
explodem corações arrependidos

Fantasia real e delírios

Fantasio um mundo diferente
Em que o Amor que surja da face obscura
Inunde por todos os lados
Os revés do tempo
Na clara intenção de que somos seres tão diferentes
Mas ao mesmo tempo irmanados em coisas do coração.

Memória afetiva

Meu coração batuqueia
Coisas que a razão nem entende
Crio imagens proféticas dentro de mim
que reverberam em tempos de outrora
Em ciclos que se fecham
E me deixam mais conectado com a minha memória

Meus órixas

Meus órixas da terra
Da água, do céu
Dispertam em mim
Um valoroso
Espaço de que percorro
A estrada certa

Ao tempo

Quando o mundo te bate
É porque você está no caminho certo
A violência gratuita que invade
Te deixa mais resistente ao tempo

Inveja

Ninguém pode ser como eu
E nem quero ser como você
Faço - me na minha insignificância
Um ser de reta oratória

O medo

O medo me corrompe
Faz de mim um ser amedrontado
Sozinho na secretaria
Sem ninguém para dividir
Anseios e trabalho
Como é ruim estar aqui.

Auto-análise

Faço muito pouco
Mas o que faço fica escondido
Para que apenas seja visto por Aquele
Que tudo faz para dar sentido a minha vida

Vendendo a auto-imagem

Do que adianta ir a África
Olhar para a pobreza
Fazer meio litro de caridade
Enquanto que o problema persiste
A caridade falseia os fatos
Do que adianta dizer que se percorre a estrada menos percorrida
Sendo que na verdade a tentativa é de exploração da imagem
Imagens
São todas vendidas hoje em dia
Por mil reis vende-se muita coisa
Até a auto-imagem

Sem título

Tudo que é muito sério
enfadonho se encontra
Nas estradas que a vida nos permite percorrer
tudo passa de relance
A criança não para de chorar
seu choro irritante
instiga o desespero e o anonimato


Uma tarde de reflexão

A paisagem da janela
Tempestade que não acaba mais
O frio que entorpece a pele
Amor que não volta mais
A gente passa por muitas coisas
Não é preciso parafrasear
Bela vida que em nós é ingrata
Vida e morte é consolo
De uma alma atormentada
Por um passado inglório e nefasto

O fim

Tudo acabou
Fiquei só
O que parecia uma vida inteira
Nada mais que pó

Coração

Segundo o coração
Mais coração é lançado
Fogo de palha
ou ato em contrição