Um único mestre

Olho a tua face desfigurada
Enxugo teu límpido suor
Cor de vermelho purpúreo
Marcada
Aniquilada até a última noite
Sombria tarde em que te encontro
Não pelo intelecto
Amor da minha alma
Que me faz sentir amado
Vinculo de toda unidade
Entre "céu e terra"
Te procurei e me escondi
Atrás de tanta sujeira tu esteve sempre lá
Não me abandonou como fez com teu filho único
Porque não há dois abandonos na terra
Agora que te reencontro
Sigo mais confiante e decidido
Só por ti
Dai-me a graça de alcançar o descanso eterno
Enquanto isso
Na labuta da vida
Cuidar de corações e almas
Para que juntas possamos viver em ti


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog