quarta-feira, 5 de outubro de 2016

O pulo ao desconhecido

Pulo ao desconhecido
A dor n'alma parece refrear os sentidos
E colocá-los no devido lugar

Pulo ao desconhecido
E te vejo alva, como um transluzente vestido
Quero devorar até o fim dos tempos

Pulo ao desconhecido
Mulher é um pedaço de corpo
Revestido de carne

Pulo ao desconhecido
E caio em seus braços
Oh! Amada amante




Nenhum comentário:

Postar um comentário