Limite poético

Entre o limite da sanidade e da loucura
Revejo-me como um santo casto
De olhares inoportunos
E o coração em chamas

Meu mundo irreal me machuca
Feri até as profundezas da alma
Em que só entra
A dor de ser si mesmo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A luz