segunda-feira, 22 de maio de 2017

Passado que volta

Fim de expediente
Não estou cansado
Um pouco triste
Mas isso passa
Perder um amigo para o câncer
É de difícil digestão
Mas onde ele estiver
Creio que está em graças com um Deus amor

O autista

O autista que grita
Deixa um som estridente
Não sei seu objetivo
Mas o som corta os tímpanos

As horas passam
Eu passo
Quem fica no mesmo lugar é sapo
Pronto a se alimentar

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Trabalho rotineiro

Papéis que voam para o alto
Com carimbo na mão
Freneticamente batendo
E os dias que passam sem nenhuma preocupação

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Recalque

É vazio
Tem gente que passa
Deixa um rastro de coisas não boas
Sempre digo:
O encosto que te pertuba, ,deixa notas fetidas que serão jogadas ao lixo.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

terça-feira, 9 de maio de 2017

Garoto de Pouso Alegre

Garoto você me fascina
Instiga a cada minuto ser melhor
Teu olhar lânguido
Doce como goiabada
Inspirou-me este poema
Obrigado por participar da minha vida
Quero - te pra sempre
Como eu quero

A vida é uma caixa

Somos caixas
Ora cheias
Ora vazias
Com estruturas simples
Devaneando emoções
E estando preste a morrer

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Esse sou eu

Corpo firme como rocha
Tendência ao balanceio
Estruturas rígidas
E um mundo de bondade
Desastabilizando
Desconstruindo conceitos
Estabilizando emoções e sentimentos

Desvairado

Faço devagar
Arrisco na pressa
Deixo os pontos finais
Assim cresço

Minha mente é uma aberração
Tenho pensamentos desvairados
Coração machucado e em estado de dor

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Erros e acertos

Digo que já errei muito
Julguei e fui julgado
Maltratei e fui maltratado
Mas diante da vida que passa
Penso nas coisas boas que fiz
E isso ninguém pode tirar de mim

O amar a si é fazer o bem aos outros

Amar a si mesmo é uma verdade
Não de uma forma egoísta
Sempre penso que o mal nunca resplandecerá
Se o bem sobrepujar

Isolado

Encontro - me isolado
Fincado na cabeça de Cristo
E o sangue escorrendo goela abaixo
Puro sangue de Cristo

Rimas fáceis não fazem minha cabeça
Prefiro não rimar
E tornar dono de si mesmo

terça-feira, 2 de maio de 2017

Sem pressa

Não tenho mais pressa
Vivo logo
Não deixo a vida passar
As pessoas podem passar de relance
Mas a vida
Esta
Passa devagar

Amor próprio

Quando a gente se ama
Percebe que pode acontecer coisas ruins
Mas são elas que vão encrustando na alma
A ternura de ser si mesmo
Por isso, primeiramente me amo
E depois, procuro amar os outros

Desprezo

Vociferando merda
Espalhada
Naquele instante tive ódio
Hoje pena

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Anu preto em Lassance-MG


Meu canto

Será que tudo é possível?
Aquela vida valendo nem um único real
Eu e você sonhando em mundo encantado
Não me leve a mal
Não quero mais sofrer por amor
E viver mais uma desilusão
Por isso, não pense mal de mim
Apenas escute meu canto de dor e desolação



A garganta em constante constrição
O pau na goela
O prazer em erupção

A alma e o deserto de si mesmo

Busquei caminhos ao contrário
Pisei em areia movediça
Suportei as piores coisas
Minhas costas curvadas de dor
A alma aberta como aquela luz do luar

Criei um mundo fictício
Nele converso com bichos alados
Que me levam a outras dimensões do sagrado

Faço bolas de fogo
E cuspo-as no deserto
Onde mora você e eu

domingo, 16 de abril de 2017

A cura pelo amor

Seja minha cura
Me abrace
Limpe meu suor
E faça - me sentir só teu
Que teu amor cure minhas chagas
Pois elas estão na alma
Encrustadas como pedras preciosas
Não espere que eu grite de dor
Venha logo
Limpe minhas chagas
E cure com teu amor

sábado, 15 de abril de 2017

O Crucificado e o Ressucitado

O escândalo que o Papa sente
É a presença do Crucificado
Aprendi que quando Ele surge
É preciso abraçá - lo e transpor
A dor que surge e viver o Ressucitado

Procurando significados ocultos
A vida é uma gangorra
Quanto mais você empurra
Mais pra baixo você afunda

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Escrever poemas

Percebo que quando escrevo
As coisas ficam mais claras
E aquela nuvem negra densa
Se desfaz e a claridade volta

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Fervor é luta?

Ratos por todos os lados
Comendo dinheiro do povo
Em seus esgotos particulares
Estão infestando locais ora "santos"
Ora laicos

Cantar é mais que falar palavras belas
Conscientizar é a saída
Para deixarmos de sermos tão alienados

A música POP
Pode ser também
Local de luta
Não só de fervor



Redoma de vidro

Minha dor faz com que eu fique numa redoma
Vejo a realidade destorcida com meu olhar míope
Percebo os problemas no mundo
Mas as feridas na alma são grandes
Que não me deixam ser saudável
Sou um doente mental
Vejo apenas minha própria dor 

#Reflexão





Esta música me fez pensar o quanto estamos alienados em nossos mundos.

Escuridão

Água ácida
Que corrói não só a pele
Não interessa por quem foi jogada
Matando pessoas em um país
É a nova versão da maldade
Que suplanta a bondade
E a reveste de poder


Adorável Psicose

Minha adorável psicose
Que de adorável não tem nada
Nem graça e nem espanto
Só a dor que congraça

Por mais que tente ser uma pessoa normal
Ou que aparente uma ideia de normalidade
Nunca conseguirei
Mesmo calado me entrego
E de paranoias eternas viverei

O atropelamento

Não vi o atropelamento
Carro amassado
Corpo estendido no chão
Sangue
E os transeuntes apontando o dedo

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Claridade

A dor é algo que penetra na alma
e nos faz crescer como crianças
O tempo firma
E a claridade entra no peito

Hospital

A dimensão da alegria
está em nós mesmos
mesmo acamados
podemos transbordar de uma
serena felicidade

O meu caminho

Não sou esquizofrênico
Esquizotípico
Bipolar
Sou uma mente cansada
De ganhar rótulos
Provo pra mim mesmo que as minhas capacidades são infinitas
Meus versos nada iguais
Muitas vezes, sem rimas
É que indicam o meu caminho

Indigente

Não me canso de escrever
É minha única alternativa de manter a mente sã
Minhas poesias não são para convencer ninguém
E muito menos para ganhar prêmios
Escrevo por uma necessidade intrínseca
De ser notado e não desaparecer como indigente das palavras

Matutino

Pássaros cantam ao fundo
Cada um com sua beleza
Revejo em cada lado
O meu amor que troveja

Meus sentimentos são universais
Não quero ser subordinado
Que eu crie minhas próprias alternativas
Sair por aí e encontrar o amado

terça-feira, 11 de abril de 2017

domingo, 9 de abril de 2017

Repititivo

Desafogando os pensamentos
Aquele cheiro de urina que me segue
Uma música feliz ao fundo
Nada me emociona
Os remédios entorpecem
Não sei quem eu sou
Minha condição psicológica é lastimável
Mesmo assim aquela música feliz ao fundo
Percorre minha mente com aquele som repetitivo
T.G.I.F

Eu beijei uma mulher

Procurei um homem que pudesse dividir angustias
Encontrei um saco de pancadas
Por isso beijei uma mulher
E nem por isso meu amor diminuiu
Eu beijei uma mulher

Por isso, vou atrás de mim mesmo
Descobrir o que gosto de fazer de verdade
Não preciso mais de ninguém
E sim eu beijei uma mulher
Não foi nada bom



Preconceito

As pessoas tem certo medo de se relacionar com um psicótico
Por que não é fácil entrar em seu mundo
Fechado em si mesmo
Atormentado por pensamentos intrusivos
Que o rebaixam ao nada
Somente na música encontra-se alívio
Notas pulsantes aliviam a dor
Que o espreme
Goverment Hooker

Mente psicótica

Música que acalma
Agita
Por uns instantes
E eleva o pensamento
Momentos de pouco prazer

A música numa mente psicótica
É a única saída saudável
Para os pensamentos desorganizados
E fora de controle

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Emoções e sentimentos

Não há como recuar
Sensações estranhas tomam meu corpo
E as emoções e os sentimentos
Parecem bailar
Numa onda de infinito desespero

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Doidivanas e tal

Mulheres são ilógicas
Como seus infinitos hormônios
Parecem numa casca de normalidade
São doidivanas e profanas

Homens podem ser santos
Com seus falos amostra
Mulheres nunca são santas
Pois se escondem atrás de suas entranhas

A língua

Aquela língua pornográfica
Que dita o prazer
Intorpece sentimentos
Tão próprios de se ter

quarta-feira, 29 de março de 2017

O meu grito

Cansei de ser vadia
Puta de zona
Perambulando pelas avenidas de corpos masculinos
Cheirando a gozo
E a prazer indelicado

A minha luta é desconhecida
Com redemoinhos delirantes
Riscos no céu sempre existiram
Só eu que os vejo em um vermelho circundante

Criei - me na rua
Minhas feridas na alma
Tudo não passa de uma falsa modéstia
E as fezes escorrendo em sangue

Não quero chocar
A dor que deverás sinto
Pulsa e causa calafrios
Destes que se propagam pelos poros
E em poucos instantes
Eu grito

Palavras

As palavras morrem em minha boca
Como o silêncio que vem de inocentes
Carreadas por motivos torpes
E sentimentos nefastos

A vida é uma carruagem a ser dirigida por nós
Ou seguramos as rédeas do nosso destino
Ou vivemos a deriva dos acontecimentos

Mulher trans

Infindável noite
Aquela que o coração não pode ver
E que os sentimentos entorpecem
Não sou uma mulher trans
Mas a causa me inspira
A olhar com os olhos da alma
As alegrias e dores do teu dia
Luta que nos guarde
Quero estar ao seu lado
E que o preconceito que bata em você
Não te derrubes
Te fortaleça a viver sem minha demagogia

terça-feira, 28 de março de 2017

quarta-feira, 22 de março de 2017

A espera

A espera cansa a alma
Não deixa transparecer os momentos de prazer
Corda envolta do pescoço
Puxa e solta

segunda-feira, 20 de março de 2017

Muito tempo

O tempo corrompe minhas veias
Deixa um gosto amargo de uma ternura cabidal
Ontem fiz um monte de coisa
Hoje um monte de coisa me fez ao mar

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

A maldade humana

Escrotidão
Cada palavra que saiu da tua boca fede
Hoje, causa uma náusea que não passa
Palavras são apenas palavras
Os atos cheiram a ralo
Escroto e maldito ser
Não merece nem macumba para o mal
E nem orações para o bem
Tú nem alma deve ter
Cada gesto inefasto teu
Não me atinge
Deixo para você o fel dos infernos
E durmo agora nos braços de Deus

sábado, 21 de janeiro de 2017

domingo, 8 de janeiro de 2017