segunda-feira, 19 de junho de 2017

Triste fim

O futuro que nunca vem
O passado que retorna
Livre do presente que não volta
Arqueado como bambu que não se rompe
Tantas coisas para serem feitas
E a vida passa de relance
Na morte que chega

Nenhum comentário:

Postar um comentário